Greve paralisa cinco empresas de ônibus no Rio de Janeiro – A Voz da Cidade
Siga a Voz da Cidade
HomePolíciaGreve paralisa cinco empresas de ônibus no Rio de Janeiro

Greve paralisa cinco empresas de ônibus no Rio de Janeiro

Greve paralisa cinco empresas de ônibus no Rio de Janeiro

A greve de ônibus que começou na manhã de ontem no Rio de Janeiro paralisou cinco empresas, com a adesão de cerca de 4,5 mil funcionários, divulgou o Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Ônibus do Rio de Janeiro (Sintraurb Rio). Segundo o Sindicato, o movimento vai ser gradual e permitirá a circulação de 20% a 30% da frota. Os rodoviários pedem 10% de reajuste salarial após dois anos com os salários congelados. Segundo o sindicato, as empresas ofereceram 4%, sendo 2% em junho e 2% em novembro.

O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, se encontrou na manhã de ontem com o Sintraurb, a Rio Ônibus e representantes da administração municipal. Na última sexta-feira (8), o prefeito fez um apelo para que a negociação ocorresse sem greve e lembrou que o último aumento nas passagens de ônibus anunciado pela prefeitura permitirá que o serviço de ônibus melhore. A prefeitura usou o Centro de Operações Rio para recomendar que os cariocas usem os trens, o metrô, o VLT e as barcas.

Em nota, o consórcio que opera os ônibus articulados do BRT disse que nove veículos foram apedrejados nesta segunda-feira. No momento, todos os corredores estão funcionando, mas os intervalos continuam irregulares e estão em processo de normalização, segundo o consórcio.

A operação no corredor Transolímpica chegou a ser interrompida nesta manhã. Segundo o BRT, a decisão foi tomada por causa da ação de rodoviários e para garantir a segurança de passageiros e funcionários.

O presidente do sindicato afirmou que em qualquer movimento existem pessoas mais exaltadas e até infiltradas para criar tumultos, mas que esses incidentes não são orientação do sindicato nem a finalidade do movimento.

Em nota divulgada na manhã de ontem, a Secretaria Municipal de Transporte (SMTR) disse que não mantém relação com as empresas de ônibus individualmente e sim com os consórcios, que têm obrigação contratual de manter os serviços de forma regular e satisfatória, sem causar prejuízo aos passageiros, em caso de paralisação, greves ou fechamento.

 

Classifique essa Notícia

Comentar