Banquetes com Jesus Cristo – A Voz da Cidade
Siga a Voz da Cidade

Banquetes com Jesus Cristo

Banquetes com Jesus Cristo

“Tendo sido, pois, justificado pela fé, temos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo”(Romanos 5: 1).

-O encontro de Jesus com Zaqueu, um publicano; é marcado por surpresas. O homem posicionado em uma árvore é surpreendido ao ser chamado pelo nome e pelas palavras de Jesus: “Zaqueu, desce depressa; porque importa que eu fique hoje em sua casa”. A mesa saboreiam o banquete e conversam. Ao fim da refeição Zaqueu é um novo homem.

-No caso de Levi, é ele que convida Jesus, seus discípulos e “uma multidão de publicanos e outros” para um banquete. Os escribas e fariseus questionam: “Por que comeis e bebeis com os publicanos e pecadores? Jesus declara então o propósito de sua vida:“Os sãos não necessitam de médicos, mas sim os enfermos.  Nãovim para chamar os justos, mas os pecadores, ao arrependimento”. Este chamamento é para a reconciliação.

-Agora o banquete acontece na casa de Simão, um fariseu. Uma mulher entra chorando e derrama perfume aos pés de Jesus enxugando-os com os seus cabelos. O cheiro do perfume se mistura ao da refeição. Jesus não é nada discreto. Torna audível a murmuração sussurrada do anfitrião e evidencia a condição da mulher:Esta “pecadora” é muito grata porque foi muito perdoada.

-O ato de comer, em algumas ocasiões serviu como senha de reconhecimento de Jesus. Foi assim com os discípulos no caminho de Emaús: “Estando com eles à mesa, tomando o pão, deu graças e, partindo-o, dava lhes, então, se lhes abriram os olhos e o reconheceram”. -Foi o ato de comer que abriu os olhos de Adão e Eva para o pecado, para a morte, quando comeram do fruto da árvore do conhecimento do bem e do mal.

-Após a ressurreição, Jesus se apresenta aos discípulos reunidos em uma casa em Jerusalém: “Não acreditando eles ainda por causa da sua alegria e estando maravilhados, perguntou-lhes Jesus: “Tendes aqui alguma coisa que comer?  Deram-lhe um pedaço de peixe assado; e tomando-o, comeu diante deles.

– No caso de Judas, a mesa foi ocasião de desmascaramento, ainda assim em amor: “Em verdade vos digo que um de vós me trairá (…)  O que põe comigo a mão no prato, este é o que me trairá”.

Que o Senhor Jesus Cristo seja convidado a estar conosco na mesa e nas nossas refeições. Amem?

#COLUNISTA: Reverendo Gerson Costa- Ministro Jubilado da Igreja Metodista Wesleyana- Pastor/ Conferencista/ Cantor evangélico- Contato com esta coluna: [email protected]/#

Classifique essa Notícia
Sem Comentários

Comentar