Polícia 19/05/2017 09:31:15 - Atualizado em 19/05/2017 09:31

Ainda não há relação entre morte de adolescente e jogo Baleia Azul

Delegado da 90ª Delegacia de Polícia (DP), Ronaldo Aparecido Ferreira Brito, afirma que as investigações ainda estão sendo feitas

RUMORES

0 comentários

Envie o seu comentário

* Nome:
* E-mail:
Telefone:
 
* Comentário:  
Declaro expressamente que li as Condições Gerais e aceito seus termos de forma integral. 
 

BARRA MANSA

A Polícia Civil está investigando a morte de um adolescente de 14 anos, ocorrido no último sábado em um bairro do município, que foi encontrado pelo irmão mais novo, de 6 anos, na última semana. Ele chegou a ser levado para a Santa de Casa de Misericórdia, mas não resistiu. A polícia apura se o caso pode ter relação com a Baleia Azul, um jogo que propõe 50 desafios, tendo como última etapa a pessoa tirar a própria vida. Mas o delegado da 90ª Delegacia de Polícia (DP), Ronaldo Aparecido Ferreira Brito, adiantou ao A VOZ DA CIDADE que até o momento não foi encontrado vínculo com o “jogo”.

Desde a morte do menor, muitas pessoas vêm ressaltando a relação do fato com o “jogo”, que vem sendo bastante divulgado nas últimas semanas, mas o delegado de Barra Mansa garantiu que as investigações ainda estão em curso. “Até agora não existe nada de concreto. Não há nada confirmado que a morte dele tenha relação com o jogo”, destacou Ronaldo Aparecido, explicando que o aparelho de telefone celular do jovem foi apreendido pela polícia e está sendo periciado, para averiguar se existe indícios dele ter participado do “jogo”.

Segundo o delegado, a família do jovem disse à polícia que ele tinha um quadro de depressão e que já havia feito tratamento. Os familiares não apontaram nenhum indício de que ele estaria participando do “jogo”. “Um irmão menor do adolescente que falou sobre isso e, por esse motivo, iniciamos às investigações”, frisou.

BALEIA AZUL

A Baleia Azul vem sendo investigada em alguns estados do país. Segundo informações, era um chamado “fake news” (notícia falsa) divulgada por um veículo de comunicação estatal da Rússia, que se espalhou a partir de 2015. Para evitar situações como essa, Ronaldo Aparecido aproveitou para destacar os cuidados que os pais precisam ter.

“É importante como recado que os pais se aproximem dos filhos, tenham acesso aos celulares, computadores. Os jovens buscam certa liberdade, mas ao mesmo tempo não tem responsabilidade e não estão formados ainda. Então, os pais precisam ter cuidado. Os adolescentes são muito vulneráveis a este tipo de induzimento. Por isso, os responsáveis precisam acompanhar, adquirir a confiança do filho para trocar ideias; conversar”, analisou.

© A Voz da Cidade. Todos os Direitos Reservados | Política de Privacidade

Desenvolvido por AM4