Cidades 19/05/2017 08:49:46 - Atualizado em 19/05/2017 08:49

Dia da Luta Antimanicomial reforça a importância da inclusão

Secretária de Saúde de Barra Mansa ofereceu diversas atividades no Centro Cultural Estação das Artes, no Centro

SAÚDE MENTAL

0 comentários

Envie o seu comentário

* Nome:
* E-mail:
Telefone:
 
* Comentário:  
Declaro expressamente que li as Condições Gerais e aceito seus termos de forma integral. 
 
Fotografada por FELIPE RODRIGUES
Atividade marcou os 30 anos de luta aos usuários da Saúde Mental (FOTO: FELIPE RODRIGUES)

BARRA MANSA

O Dia Nacional da Luta Antimanicomial foi lembrado ontem, e a prefeitura, através da Secretária de Saúde ofereceu diversas atividades no Centro Cultural Estação das Artes, na Rua Orozimbo Ribeiro, no Centro, para comemorar os 30 anos de luta. Em dois dias de evento, durante a tarde de quarta-feira e a manhã de ontem, todos os dispositivos da Saúde Mental do município estiveram presentes e reuniram as pessoas que recebem atendimento, seus familiares e os funcionários de cada local.

No primeiro dia de evento, que aconteceu no período da tarde, os assistidos pelo Centro de Atenção Psicossocial para Adultos (CAPS), Centro de Atenção Psicossocial  para Crianças (CAPSI), Ambulatório de Álcool e Drogas – Espaço Reviver e Residências Terapêuticas, aproveitaram as atividades externas oferecidas pelos Meninos do Batuque e pelo grupo Abadá Capoeira e puderam participar também de uma oficina artesanal. Durante a manhã de ontem, foram oferecidas aos pacientes, funcionários e familiares, rodas de conversas ministradas pelo psiquiatra do CAPS, o clínico geral do Espaço Reviver e a psicóloga do CAPSI. A comemoração contou também com uma exposição de trabalhos artesanais realizados pelos alunos e familiares dos dispositivos.

A coordenadora do Espaço Reviver, Denise da Cunha Durval, garantiu que o evento é uma forma de trazer esse marco para a sociedade e mostrar a importância de haver a Saúde Mental no município para garantir a inclusão social e os direitos das pessoas que precisam de ajuda. “Entender que essas pessoas têm condições de viver em sociedade e ter seus vínculos familiares respeitados é muito importante para que elas progridam em seus tratamentos. E é isso que nós buscamos sempre, garantir os direitos deles e fortalecer os vínculos familiares de forma que as famílias participem junto com eles nos tratamentos e nas tarefas que eles realizam”, explicou Denise.

Uma parte da exposição dos trabalhos realizados pelos alunos e seus familiares foi reservada para homenagear um aluno do Espaço Reviver que faleceu no ano anterior. A mãe do rapaz, a aposentada, Selma Alves Fonseca, participou do evento e disse ao A VOZ DA CIDADE, sobre a importância que as famílias devem dar em acompanhar o tratamento dos seus entes queridos. “Eu sofri muito com a doença do meu filho, foram mais de dez anos de luta e o pessoal do CAPS nos deu todo apoio e acolhimento e ver os trabalhos dele expostos aqui, me traz uma emoção muito grande. Meu filho estudava numa faculdade federal e com 22 anos entrou para o mundo das drogas, do álcool e foi se destruindo e infelizmente ele faleceu, mas eu sei que fizemos tudo o que podíamos para ajudá-lo e é muito importante que a família esteja sempre presente no tratamento dessas pessoas que sofrem tanto”, acrescentou Selma.

Luta pelos usuários da Saúde Mental

 

VOLTA REDONDA

Várias atividades, como roda de conversa e distribuição de panfletos sobre a Semana da Luta Antimanicomial foram realizadas durante a tarde, na Praça Sávio Gama, no Aterrado.  As ações, promovidas pela Secretaria Municipal de Saúde (SMS) tiveram como principal objetivo, relembrar a batalha pela desinstitucionalização dos usuários da Saúde Mental, que no passado ficavam segregados à margem da sociedade dentro dos manicômios.

O evento teve como público-alvo os usuários da Saúde Mental, familiares, trabalhadores e estudantes de psicologia da Universidade Federal Fluminense (UFF). Quem passou também pelo local, durante à tarde, teve a oportunidade de conferir de perto as atividades desenvolvidas por crianças, jovens e adultos assistidos pelos programas desenvolvidos pelo Governo Municipal, através das várias secretarias municipais.    

Ontem também, em Volta Redonda, na Vila Santa Cecília, foi realizada uma caminhada em alusão ao Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual contra Crianças e Adolescentes. O evento foi realizado pela Fundação para a Infância e Adolescência (FIA) do município, em parceria com a Prefeitura, por meio da Secretaria Municipal de Ação Comunitária  (Smac), a Casa da Criança e a Fundação CSN.

Segundo informou a diretora do Departamento de Proteção Especial da Smac, Larissa Fagundes Costa, entre as violações está a de abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes. Ressaltou que a Smac sempre faz alguma ação neste dia, mas a caminhada é a primeira vez que acontece.

© A Voz da Cidade. Todos os Direitos Reservados | Política de Privacidade

Desenvolvido por AM4