Concessionárias ignoram lei ao deixar vagões com minério sem cobertura, em Barra Mansa – A Voz da Cidade
Siga a Voz da Cidade
HomeCidadeConcessionárias ignoram lei ao deixar vagões com minério sem cobertura, em Barra Mansa

Concessionárias ignoram lei ao deixar vagões com minério sem cobertura, em Barra Mansa

Vagões com minério cortam Barra Mansa sem nenhuma proteção - Foto: Fábio Guimas

Concessionárias ignoram lei ao deixar vagões com minério sem cobertura, em Barra Mansa

BARRA MANSA

Concessionárias que administram a malha ferroviária que corta a cidade – a MRS Logística e a Ferrovia Centro-Atlântica (FCA), têm descumprido uma lei municipal. Ela obriga que trens que fazem o transporte de produtos siderúrgicos, como minério, e trafegam por vias públicas, devem utilizar lonas de cobertura. A medida busca impedir a dispersão do material, danos ambientais e à saúde da população. E para quem fica preso diariamente esperando os trens passarem na cidade, o fato não é nenhuma novidade.

A lei, de autoria do ex-vereador Ademir Melo, sancionada em 1998, trata sobre o transporte de veículos ferroviários e suas atividades. Em seu artigo 3º, a lei prevê que o transporte ferroviário de minérios, graneis (produtos não ensacados) e outras matérias primas ou manufaturados de qualquer natureza, no interior da malha urbana de Barra Mansa, só poderá ocorrer em vagões fechados ou cobertos com lonas. Ainda de acordo com a lei, o descumprimento ao artigo 3º prevê a aplicação de uma multa de 50 UFIR (cada uma custa R$ 2,72), ou seja, R$ 136. Uma resolução do Conselho Nacional de Trânsito (Contran) de 2008 também diz que o transporte de minério a granel só pode ser feito em vias públicas com a utilização de lona, o que na prática não acontece.

A designer gráfico Neusa Silva não sabia da existência da lei e pediu uma fiscalização efetiva. “Acho que a passagem do trem dessa forma prejudica muito as pessoas e o meio ambiente em Barra Mansa. Além de sujarem as ruas. Se existe uma lei, ela deveria ser cumprida. Deve haver uma fiscalização”, opinou.

Para a advogada Denise Silva, o descumprimento da lei que obriga a cobertura de vagões é muito prejudicial para os moradores e ao meio ambiente. “Se existe uma lei municipal, e ela não está sendo cumprida, tem que haver uma sanção”, afirmou.

FISCALIZAÇÃO AUSENTE

Em abril do ano passado, o vereador Marquinho Pitombeira (PSDB) fez uma indicação ao Poder Executivo para que houvesse uma fiscalização para o cumprimento da lei municipal referente à passagem de vagões transportando materiais compostos por minérios de ferro e seus derivados no trecho urbano do município. Ouvido pelo A VOZ DA CIDADE, Pitombeira disse que tem conversado com a prefeitura para saber como essa fiscalização pode ser feita. “É algo que prejudica muito a população. Tem a questão da sujeira e até a própria saúde dos moradores da cidade, porque esse material percorre todo o município em vagões a céu aberto. Conversei com o secretário de Governo (Vinícius Ramos) e ele me garantiu que o assunto já está sendo estudado pela Procuradoria Geral do Município”, informou o parlamentar.

O A VOZ DA CIDADE procurou a prefeitura para esclarecimentos sobre a fiscalização das composições, mas a administração municipal se limitou a informar que a Secretaria de Meio Ambiente já notificou a MRS Logística e a Ferrovia Centro-Atlântica (FCA) referente ao transporte de cargas na região central do município.

EMPRESAS DIZEM CUMPRIR LEGISLAÇÃO FEDERAL VIGENTE

O A VOZ DA CIDADE entrou em contato com as duas empresas que atuam na linha férrea que corta o município. Através de suas assessorias de imprensa elas destacaram estarem dentro de todos os parâmetros exigidos pela legislação federal vigente e garantiram que executam processos que evitam a dispersão de poluentes na atmosfera.

De acordo com a MRS Logística, a concessionária possui um sistema completo de monitoramento e controle da emissão de partículas no meio ambiente (poeira) e destacou que a forma mais adequada para conter a emissão de partículas, e a mais usada no mundo inteiro, é a aspersão de polímeros. A VLI, controladora da Ferrovia Centro-Atlântica (FCA), informou que transporta dois produtos em Barra Mansa: o clínquer em vagões hoppers e o calcário em vagões gôndola. Esse último produto é umedecido na fase de carregamento.

As duas empresas destacaram que conforme comprovado em monitoramento da qualidade do ar realizado por ambas, o transporte desses produtos atende os parâmetros previstos pela resolução Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama 3/90).

 

 

 

 

 

Compartilhe!Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter
Classifique essa Notícia
Sem Comentários

Comentar