Campanha luta pelo Fim da Violência contra as Mulheres – A Voz da Cidade
Siga a Voz da Cidade
HomeEspecialCampanha luta pelo Fim da Violência contra as Mulheres

Campanha luta pelo Fim da Violência contra as Mulheres

Campanha luta pelo Fim da Violência contra as Mulheres

SUL FLUMINENSE/MUNDO

Começou sábado a Campanha 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres. A mobilização anual, praticada simultaneamente por diversas organizações da sociedade civil e poder público, tem o intuito de fortalecer esse enfrentamento. Desde sua primeira edição, em 1991, já conquistou a adesão de cerca de 160 países. Mundialmente, a Campanha se inicia em 25 de novembro – Dia Internacional da Não Violência contra a Mulher, e vai até 10 de dezembro, Dia Internacional dos Direitos Humanos, passando pelo 06 de dezembro, que é o Dia Nacional de Mobilização dos Homens pelo Fim da Violência contra as Mulheres.

Em Barra Mansa, o início da campanha foi marcado pela coleta de assinaturas pela volta do Centro Especializado de Atendimento à Mulher (Ceam). A ação aconteceu sábado, no centro da cidade, e foi promovida pela Associação Mulher e Cidadania. O Ceam, fechado em julho de 2016 pelo então prefeito Jonas Marins, funcionava no Parque da Cidade. A unidade contava com uma equipe de profissionais das áreas de serviço social, psicologia e direito. Quando necessário, as mulheres vítimas de violência eram encaminhadas para as instituições da rede de proteção: UPA, Hospital da Mulher, 90ª Delegacia de Polícia, Defensoria Pública e Conselho Tutelar.

Entre as ações pelos 16 dias de ativismo na região Sul Fluminense, está o Seminário da Região Sul Fluminense: Políticas Públicas de Enfrentamento à Violência Contra a Mulher’; que será realizado às 14h30 de amanhã, no Sindicato da Construção Civil (Rua 4, 310, Conforto, Volta Redonda). A palestrante é Angela Fontes. O evento contará com a participação da subsecretária de Políticas para as Mulheres do Estado do Rio e presidente do Cedim-RJ, Cristiane Lamarão.

Já no dia 08 de dezembro, acontece em Barra Mansa a Caminhada Pela Paz, que será promovida pela Casa Paz e Bem, localizada no bairro Vista Alegre, junto com outras entidades.

Participante ativa da luta contra a violência ao público feminino e membro da Associação Mulher e Cidadania, a ex-deputada Inês Pandeló disse que a sociedade precisa participar desse movimento; ir contra a questão cultural de séculos de machismo. “A Lei Maria da Penha foi um grande avanço; salva muitas vidas, mas estamos vendo retrocessos diante da crise nas políticas públicas para as mulheres. O Ceam, em Barra Mansa, é um exemplo disso”, disse Inês.

DOSSIÊ MULHER

O Dossiê Mulher traz informações relativas à violência contra a mulher no Estado do Rio de Janeiro. O relatório anual aborda os principais crimes que milhares de mulheres sofrem cotidianamente, como a lesão corporal dolosa, a ameaça, o atentado violento ao pudor, o estupro, o homicídio doloso e a violência doméstica.

Apesar da propagação dos malefícios que esse tipo de violência acarreta, ainda são frágeis as estratégias de defesa dos direitos da mulher. A ideia de que a vítima pode ter provocado as agressões sofridas, continua a prevalecer em algumas representações sociais.

Ciente dessa condição, o Instituto de Segurança Pública (ISP) lança anualmente o Dossiê, visando contribuir com o aumento da visibilidade deste tipo de violência, ressaltando a importância do combate desses delitos.

Segundo o balanço das ocorrências registradas em 2016, que fazem parte do Dossiê 2017, dos homicídios de mulheres – 17,7% tinham relação entre a vítima e autor (companheiros e ex-companheiros 12,6%; pessoas conhecidas, pais/padrastos e parentes 5,1%). A arma de fogo foi usada- 46% (181) do total, enquanto 9% (34) arma branca e 1,0% (4) o emprego de material inflamável.

Violência Sexual é o tipo de violência que proporcionalmente mais atinge as mulheres. Dos diferentes crimes sexuais tratados, as mulheres representam entre 80% e 90% do total de vítimas, atingindo em 2016 uma taxa de 46,1 vítimas por 100 mil mulheres. São mais de 4 mil mulheres vítimas de estupro em 2016 – uma vítima a cada 2 horas.

 

Dados do Dossiê Mulher de Barra Mansa

Homicídio doloso – 2

Tentativa de homicídio – 12

Lesão corporal dolosa – 466

Estupro – 18

Tentativa de estupro – 2

Importunação e ofensiva ao pudor – 2

Assédio Sexual – 1

Ameaça – 492

Constrangimento ilegal – 8

Violência moral – 285

Violência patrimonial – 74

Compartilhe:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter
Classifique essa Notícia
Sem Comentários

Comentar