Audiência Pública para discutir ideologia de gênero nas escolas de Volta Redonda divide opiniões – A Voz da Cidade
Siga a Voz da Cidade
HomePolíticaAudiência Pública para discutir ideologia de gênero nas escolas de Volta Redonda divide opiniões

Audiência Pública para discutir ideologia de gênero nas escolas de Volta Redonda divide opiniões

O plenário da CMVR ficou lotado para a audiência - Tania Cruz

Audiência Pública para discutir ideologia de gênero nas escolas de Volta Redonda divide opiniões

A Audiência Pública realizada, na noite de terça-feira, 5, pela Câmara de Vereadores de Volta Redonda atraiu centenas de pessoas, entre jovens e adultos. O evento, que foi convocado pelo Legislativo por solicitação do vereador Paulo Conrado (PRTB), autor da Lei que proíbe a inclusão de temas relacionados à ideologia de gênero no currículo das escolas municipais, lotou o Plenário do Legislativo. A discussão foi sobre a possível inclusão de conteúdos relacionados à chamada ideologia de gênero no currículo das unidades escolares do município. Como todo assunto polêmico, o evento e o tema dividiram opiniões. De um lado os que não apóiam a ação e do outro aqueles totalmente contra.
Para muitos que participaram da audiência, a discussão foi tensa e no final não levou a lugar nenhum, a não ser estresse e constrangimento. Uma das participantes, a dona de casa Elionora Maria de Freitas, 43 anos, a audiência não acrescentou nada para ela. Disse que foi ao evento a convite da filha adolescente e outros jovens com a finalidade de entender o assunto, mas saiu do local pior. “Na verdade, ninguém falou nada com nada a não ser o lado contra que massacrou o outro lado. “Sou a favor da família tradicional, mas não gostei do que vi. Como disse, fui à audiência para ter algum esclarecimento, mas não adiantou. Vi muitas ações de desrespeito e preconceito. Não gostei. Todo ser humano é igual perante Deus, seja ele homem, mulher ou homossexual. Acho que um deve respeitar a opinião do outro. E não fazer o que fizeram”, criticou.
Outra que não aprovou a audiência foi a estudante Danielle Marta de Arantes, 23 anos. Disse que foi mesmo para ver até onde vai essa discussão. Lamentou que a Câmara de Vereadores tenha força para lotar um plenário para discutir um assunto que deveria ser tratado em família, mas não faz o mesmo para chamar a população para derrubar a Reforma Trabalhista que só prejudicou o trabalhador brasileiro e impedir a aprovação da Previdência.
O vereador Issac foi um dos que declarou contrário à ideoligia de gênero nas escolas. Em seu discurso falou sobre a importância da união da igreja e de toda sociedade, para que não deixemos, em hipótese alguma, levar este assunto para nossas escolas e creches.”Ressaltamos que, não somos preconceituosos, mas como cristãos, acreditamos na palavra de Deus, que diz:”Deus criou o homem à sua imagem; criou-o à imagem de Deus, criou o homem e a mulher e os abençoou: Frutificai e multiplicai-vos, enchei a terra e submetei-a” (Gn 1,27-28)”, declarou.
Lembrou que, como fiscais do Poder Executivo, os vereadores estão acompanhando de perto as escolas de nosso município, para que façam cumprir a lei aprovada por esta Casa, que proíbe a discussão sobre o tema nas unidades escolares. “Acreditamos que o Governo Municipal está de acordo com nosso pensamento e dos outros 21 vereadores desta legislatura”, discursou. A jovem Ana Mara Santos, 25 anos, garantiu que não é preconceituosa e muito homofóbica, mas não é favor dessa discussão nas escolas, ainda mais entre crianças pequenas. Lembrou que a educação vem de casa e não se aprende na escola. Por isso, o tema deve ser discutido e, casa da melhor forma escolhida pela família e não por professores.

Compartilhe:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter
Classifique essa Notícia
Sem Comentários

Comentar